Futebol

April 30, 2007

Futebol? Devem estar vocês a pensar.
Pois é verdade, aqui também se fala de futebol.
E vou começar pelo meu clube, o Sport Lisboa e Benfica, o grande glorioso!
Este ano não me tem dado muitas alegrias, mas um verdadeiro benfiquista acredita sempre, mesmo que o campeonato esteja quase a acabar.
Acredita sobretudo que no próximo ano vamos fazer muito melhor. 🙂

No entanto, fazendo um balanço da época actual, nem tudo foi mau:
– Os quartos de final na taça UEFA souberam a pouco, mas foram prestigiantes;
– O 2º/3º lugar no campeonato deixa antever uma próxima época de luxo: resolvemos um dos grandes problemas do passado e em casa fomos imbatíveis;
– Taça de Portugal…. Bom aqui, realmente não foi nada famoso.

Com a resolução da política de contratações e 2 ou 3 bons reforços, a coisa dá-se!

SLB! SLB SLB!

Advertisements

Futebol

April 30, 2007

Futebol? Devem estar vocês a pensar.
Pois é verdade, aqui também se fala de futebol.
E vou começar pelo meu clube, o Sport Lisboa e Benfica, o grande glorioso!
Este ano não me tem dado muitas alegrias, mas um verdadeiro benfiquista acredita sempre, mesmo que o campeonato esteja quase a acabar.
Acredita sobretudo que no próximo ano vamos fazer muito melhor. 🙂

No entanto, fazendo um balanço da época actual, nem tudo foi mau:
– Os quartos de final na taça UEFA souberam a pouco, mas foram prestigiantes;
– O 2º/3º lugar no campeonato deixa antever uma próxima época de luxo: resolvemos um dos grandes problemas do passado e em casa fomos imbatíveis;
– Taça de Portugal…. Bom aqui, realmente não foi nada famoso.

Com a resolução da política de contratações e 2 ou 3 bons reforços, a coisa dá-se!

SLB! SLB SLB!


As armadilhas da distribuição

April 24, 2007

As pesquisas comprovam que, na grande maioria das vezes, o consumidor sai do supermercado (ou do hipermercado) com mais produtos no carrinho do que planeava comprar.
Como isso é possível?
É possível porque, antes de tudo, as mesmas pesquisas apontam que 60% ou mais das compras são decididas no ponto de venda. Como consequência (e também como causa) disso, os supermercados e principalmente as grandes redes de hipermercados especializam-se cada vez mais em técnicas de marketing que estimulam a comprar mais e mais.
A regra de ouro dos marketeers do livre serviço diz: “Quanto mais tempo o cliente fica dentro da loja, mais ele compra”.

Por isso, a grande maioria dessas técnicas visa fazer com que você demore mais que o necessário lá dentro:
– A entrada de um hipermercado é uma área nobre por excelência. Normalmente é aí que são organizadas as bancas temáticas, que se referem, muitas vezes, a alguma data festiva (os ovos de Páscoa, os brinquedos do Dia da Criança, o material da Campanha Escolar,etc.). Como o carrinho ainda está vazio neste momento, o consumidor está mais receptivo a levar alguma coisa que não pretendia.
– Todos os seus sentidos são explorados: música ambiente ou os aromas das secções procuram estimular a compra ou ajudar a retardar o passo.
– A temperatura está sempre boa. Não faz frio nem calor.
– Luzes e cores também ajudam a construir a imagem de um grupo de produtos e a estimular a compra. Por exemplo, o verde aparece na secção de frutas e verduras, como associação com a natureza; o vermelho, nas carnes; e o azul, que lembra a água e o frio, nos peixes.
– A cor e o desenho do piso podem ajudar a acelerar ou reduzir a velocidade de deslocação dentro da loja.
– Não existem relógios nem janelas: não se deve aperceber da passagem do tempo.
– Uma promotora que oferece uma amostra de produto ou um brinde ajuda a aumentar as vendas, assim como uma bancada separada da gôndola dá destaque ao produto que se quer vender.
– Muitos hipermercados, de vez em quando, mudam o local de exposição de alguns produtos para forçar o consumidor a procurar de novo o produto, e assim percorrer secções que, normalmente, ficariam de fora na compra.
– Os produtos de primeira necessidade (leite, carne, frutas, bebidas, etc.), localizam-se normalmente no fundo da loja. Até chegar lá, o consumidor passa por uma infinidade de outros produtos que, antes de entrar, nem imaginava que poderia levar.
– Algumas lojas começam a adoptar áreas de lazer, como espaço para café, perto de livros, por exemplo. É uma nova tendência para o consumidor ficar mais tempo na loja.
– Os corredores centrais são mais largos, enquanto os interiores ou transversais são mais estreitos e sujeitos ao congestionamento dos carrinhos, o que faz com a velocidade de deslocamento diminuia para se prestar mais atenção aos produtos destas gôndolas.
– Enquanto se espera na fila da caixa, há pequenos expositores ao lado com pilhas, revistas, pastilhas elásticas, etc. para promover a compra por impulso.

Portanto, da próxima vez que entrarem num hipermercado, com certeza vão olhar para ele de outra forma.
Boas compras!


As armadilhas da distribuição

April 24, 2007

As pesquisas comprovam que, na grande maioria das vezes, o consumidor sai do supermercado (ou do hipermercado) com mais produtos no carrinho do que planeava comprar.
Como isso é possível?
É possível porque, antes de tudo, as mesmas pesquisas apontam que 60% ou mais das compras são decididas no ponto de venda. Como consequência (e também como causa) disso, os supermercados e principalmente as grandes redes de hipermercados especializam-se cada vez mais em técnicas de marketing que estimulam a comprar mais e mais.
A regra de ouro dos marketeers do livre serviço diz: “Quanto mais tempo o cliente fica dentro da loja, mais ele compra”.

Por isso, a grande maioria dessas técnicas visa fazer com que você demore mais que o necessário lá dentro:
– A entrada de um hipermercado é uma área nobre por excelência. Normalmente é aí que são organizadas as bancas temáticas, que se referem, muitas vezes, a alguma data festiva (os ovos de Páscoa, os brinquedos do Dia da Criança, o material da Campanha Escolar,etc.). Como o carrinho ainda está vazio neste momento, o consumidor está mais receptivo a levar alguma coisa que não pretendia.
– Todos os seus sentidos são explorados: música ambiente ou os aromas das secções procuram estimular a compra ou ajudar a retardar o passo.
– A temperatura está sempre boa. Não faz frio nem calor.
– Luzes e cores também ajudam a construir a imagem de um grupo de produtos e a estimular a compra. Por exemplo, o verde aparece na secção de frutas e verduras, como associação com a natureza; o vermelho, nas carnes; e o azul, que lembra a água e o frio, nos peixes.
– A cor e o desenho do piso podem ajudar a acelerar ou reduzir a velocidade de deslocação dentro da loja.
– Não existem relógios nem janelas: não se deve aperceber da passagem do tempo.
– Uma promotora que oferece uma amostra de produto ou um brinde ajuda a aumentar as vendas, assim como uma bancada separada da gôndola dá destaque ao produto que se quer vender.
– Muitos hipermercados, de vez em quando, mudam o local de exposição de alguns produtos para forçar o consumidor a procurar de novo o produto, e assim percorrer secções que, normalmente, ficariam de fora na compra.
– Os produtos de primeira necessidade (leite, carne, frutas, bebidas, etc.), localizam-se normalmente no fundo da loja. Até chegar lá, o consumidor passa por uma infinidade de outros produtos que, antes de entrar, nem imaginava que poderia levar.
– Algumas lojas começam a adoptar áreas de lazer, como espaço para café, perto de livros, por exemplo. É uma nova tendência para o consumidor ficar mais tempo na loja.
– Os corredores centrais são mais largos, enquanto os interiores ou transversais são mais estreitos e sujeitos ao congestionamento dos carrinhos, o que faz com a velocidade de deslocamento diminuia para se prestar mais atenção aos produtos destas gôndolas.
– Enquanto se espera na fila da caixa, há pequenos expositores ao lado com pilhas, revistas, pastilhas elásticas, etc. para promover a compra por impulso.

Portanto, da próxima vez que entrarem num hipermercado, com certeza vão olhar para ele de outra forma.
Boas compras!


Nuno Batista @ LinkedIn

April 24, 2007
É verdade, também sou um user do LinkedIn, uma rede de contactos que conta já com mais de 10 milhões de pessoas em todo o mundo.
Esta questão do networking é importante. O melhor é que acabamos sempre por encontrar alguém conhecido. Ou que tem os mesmos intereresses que nós.

Informações sobre o meu perfil de utilizador LinkedIn, por favor cliquem no link abaixo:

View Nuno  Batista's profile on LinkedIn

Boas!


Perfil do Consumidor Português

April 24, 2007

Após diversas pesquisas sobre o perfil do consumidor português, compilei alguns artigos da imprensa especializada sobre esta temática.
As conclusões são idênticas em todos os estudos: os habitos estão a mudar…

Principais preocupações dos consumidores:
– Economia 47%
– Saúde e bem-estar 37%
– Estabilidade emprego 31%

O consumidor procura valor acrescentado nos produtos que compra, bem como a melhor combinação: Preço + Qualidade + Conveniência.
A idade média dos consumidores também está a mudar: envelhecimento da população. Os indivíduos com mais de 50 anos (baby boomers) estão a ficar maioritários. Esta geração vai ser a primeira com poder de compra elevado e com maiores hábitos de consumo (ex.: em França representam 45% do poder de compra).
Com o aumento da esperança de vida, a incerteza económica, social e profissional, o consumidor tende a centrar-se em sua casa.

Intenções de compra:
– Obras em casa 28%
– Artigos Mobiliário 24%
– Electrodomésticos 29%
– Artigos bricolage 26%

Cerca de 39,6% dos portugueses tem por hábito acompanhar, através da publicidade, as promoções dos vários hiper e supermercados ao longo do ano. Destes, 40,3% deslocaram-se, no último mês, a uma loja por causa de uma promoção (20,5% dos portugueses).
Os esudos indical que as promoções atraem cada vez mais o consumidor ao ponto de venda, dotando a excelência na exposição e comunicação como factores críticos de sucesso.

Outro dados interessante diz-nos que o consumidor português procura satisfazer as suas necessidades de compra em espaços comerciais mais pequenos (supermercados e lojas discount) e no retalho especializado – elegendo os factores sortido/preço e contacto mais pessoal como elementos decisivos. Efectivamente, cerca de 86% gostaria de fazer as suas compras com um contacto mais pessoal.


Perfil do Consumidor Português

April 24, 2007

Após diversas pesquisas sobre o perfil do consumidor português, compilei alguns artigos da imprensa especializada sobre esta temática.
As conclusões são idênticas em todos os estudos: os habitos estão a mudar…

Principais preocupações dos consumidores:
– Economia 47%
– Saúde e bem-estar 37%
– Estabilidade emprego 31%

O consumidor procura valor acrescentado nos produtos que compra, bem como a melhor combinação: Preço + Qualidade + Conveniência.
A idade média dos consumidores também está a mudar: envelhecimento da população. Os indivíduos com mais de 50 anos (baby boomers) estão a ficar maioritários. Esta geração vai ser a primeira com poder de compra elevado e com maiores hábitos de consumo (ex.: em França representam 45% do poder de compra).
Com o aumento da esperança de vida, a incerteza económica, social e profissional, o consumidor tende a centrar-se em sua casa.

Intenções de compra:
– Obras em casa 28%
– Artigos Mobiliário 24%
– Electrodomésticos 29%
– Artigos bricolage 26%

Cerca de 39,6% dos portugueses tem por hábito acompanhar, através da publicidade, as promoções dos vários hiper e supermercados ao longo do ano. Destes, 40,3% deslocaram-se, no último mês, a uma loja por causa de uma promoção (20,5% dos portugueses).
Os esudos indical que as promoções atraem cada vez mais o consumidor ao ponto de venda, dotando a excelência na exposição e comunicação como factores críticos de sucesso.

Outro dados interessante diz-nos que o consumidor português procura satisfazer as suas necessidades de compra em espaços comerciais mais pequenos (supermercados e lojas discount) e no retalho especializado – elegendo os factores sortido/preço e contacto mais pessoal como elementos decisivos. Efectivamente, cerca de 86% gostaria de fazer as suas compras com um contacto mais pessoal.