É preciso pensar nos consumidores do futuro

November 29, 2007

Desde crianças que os consumidores estão habituados a lidar com marcas e produtos diferentes. Para os mais novos, as roupas, os brinquedos e determinados tipo de alimentos são os produtos que mais atraem a sua atenção. Tal como os adultos, as crianças e os jovens estão cada vez mais exigentes e possuem hábitos de consumo específicos. Por isso, as marcas demonstram uma preocupação constante em agradar ao público infantil.

De acordo com um estudo da TNS InterScience, 80% das crianças influenciam os pais na hora da compra de produtos, enquanto 63% têm influência na compra de determinadas marcas. O público infantil está preparado para decidir questões como a marca e a qualidade dos produtos. Este facto é determinante na sua vida adulta: as crianças que já têm hábitos de consumo enraizados serão consumidores adultos mais criteriosos e exigentes.

O consumo infantil rege-se por aspectos que, apesar de diferentes, são semelhantes aos critérios dos adultos – personagens famosas, anúncios de televisão, ofertas na compra de um determinado produto, cores e música utilizadas no anúncio – tudo isto influencia o desejo da criança querer ou não adquirir aquele produto, daquela marca.

No entanto, a criança tem um critério de qualidade muito apurado «a criança não compra pelo personagem se o produto não for bom», refere Ivani Rossi, coordenadora da investigação.

Isto significa que a criança tem de gostar do produto para o comprar e, por conseguinte, este tem de ter qualidade senão não será o escolhido.

Assim, as empresas têm um longo trabalho a desenvolver, pois se a qualidade é um factor presente nos consumidores mais novos, a tendência é para que este critério seja cada vez mais forte e decisivo na escolha de produtos ou marcas enquanto consumidores adultos.

Actualmente, a globalização, assim como as tecnologias de informação, permitem aos mais novos um melhor acesso à informação e às variadas opções de consumo que existem.

Fonte: Mundo do Marketing. Publicado em New@This por Nuno Batista.

É preciso pensar nos consumidores do futuro

November 29, 2007

Desde crianças que os consumidores estão habituados a lidar com marcas e produtos diferentes. Para os mais novos, as roupas, os brinquedos e determinados tipo de alimentos são os produtos que mais atraem a sua atenção. Tal como os adultos, as crianças e os jovens estão cada vez mais exigentes e possuem hábitos de consumo específicos. Por isso, as marcas demonstram uma preocupação constante em agradar ao público infantil.

De acordo com um estudo da TNS InterScience, 80% das crianças influenciam os pais na hora da compra de produtos, enquanto 63% têm influência na compra de determinadas marcas. O público infantil está preparado para decidir questões como a marca e a qualidade dos produtos. Este facto é determinante na sua vida adulta: as crianças que já têm hábitos de consumo enraizados serão consumidores adultos mais criteriosos e exigentes.

O consumo infantil rege-se por aspectos que, apesar de diferentes, são semelhantes aos critérios dos adultos – personagens famosas, anúncios de televisão, ofertas na compra de um determinado produto, cores e música utilizadas no anúncio – tudo isto influencia o desejo da criança querer ou não adquirir aquele produto, daquela marca.

No entanto, a criança tem um critério de qualidade muito apurado «a criança não compra pelo personagem se o produto não for bom», refere Ivani Rossi, coordenadora da investigação.

Isto significa que a criança tem de gostar do produto para o comprar e, por conseguinte, este tem de ter qualidade senão não será o escolhido.

Assim, as empresas têm um longo trabalho a desenvolver, pois se a qualidade é um factor presente nos consumidores mais novos, a tendência é para que este critério seja cada vez mais forte e decisivo na escolha de produtos ou marcas enquanto consumidores adultos.

Actualmente, a globalização, assim como as tecnologias de informação, permitem aos mais novos um melhor acesso à informação e às variadas opções de consumo que existem.

Fonte: Mundo do Marketing. Publicado em New@This por Nuno Batista.

Como será a Distribuição em Portugal dentro de 10 anos?

November 28, 2007

Global, tanto a nível de insígnias como de oferta, sem esquecer a resposta aos nichos de mercado (ex. diferentes etnias que hoje compõem a população em Portugal) às diferenças Norte/Sul e às pequenas especificidades locais;

Com Formatos Diversificados, que o mesmo consumidor procura em diferentes circunstâncias e com diferentes motivações de compra;

Centrada na Venda e não na Compra, ou seja, com os Negociadores da Produção e da Distribuição especialistas em Psicossociologia do Consumo e na Dinâmica do Ponto de Venda, a trabalharem em verdadeira parceria visando surpreender o consumidor final e não apenas a pensar nos descontos, nos rappéis, nos contratos, etc. Acredito mesmo nisto não estou a gozar!
Analisando as tendências de mercado e o actual panorama da Distribuição portuguesa consideramos que, tal como diversas vezes temos referido, há uma oportunidade excelente para o reforço da afirmação do canal dos Supermercados e das superfícies médias especializadas em Portugal, mas não só.
Desde 1985 que nos habituámos a usufruir de um conjunto de serviços de qualidade, proporcionados pelo acelerado crescimento da Distribuição organizada. Portugal tem Hipermercados e Supermercados ao nível do melhor que existe pelo mundo fora. Outros formatos para lá caminharão (não têm outro remédio…).
O “benchmarking” excedeu as expectativas. O consumidor português ganhou muito com a implantação das várias insígnias e usufruiu de diversas formas da crescente competitividade negocial das relações produtor/distribuidor.
Hoje é fácil encontrar pontos de venda com qualidade em praticamente todos os Concelhos do País. Podemos escolher entre os diversos formatos e aproveitar as estratégias comerciais agressivas das diversas insígnias.
Por um lado, os novos estilos de vida favorecem os espaços comerciais que consigam proporcionar simultaneamente uma experiência agradável na compra e por outro, uma gestão eficaz do tempo. Os negócios do lazer e do lúdico estão em franco desenvolvimento, mas o consumidor valoriza cada vez mais o tempo de compra.
Se este raciocínio estiver correcto, os hipermercados vão tendencialmente perder espaço, pois têm assumidamente um problema de escala. Prevejo mesmo que daqui a 10 anos já muitos tiveram que fechar e/ou adaptar-se a formatos mais “retalhados”, tanto mais que não seja porque a realidade demográfica aponta para um envelhecimento acelerado da população.A diferença de preços entre comprar num Hiper, num Super ou num Discount não é tão relevante como era há cinco anos. No entanto, o tempo necessário para efectuar as mesmas compras nos diferentes formatos é significativo.
Acreditamos que dentro de 10 anos os factores mais determinantes para a compra serão o conforto e a conveniência. Até porque aqueles que até essa altura só viverem do preço já estarão mortos (falidos!).
De facto, enquanto por exemplo, os Supermercados e as médias superfícies especializadas podem localizar-se próximo do local de trabalho ou da habitação dos seus clientes, os Hipermercados e as grandes superfícies especializadas devido aos constrangimentos provocados pela sua dimensão, têm muito mais dificuldade em fazê-lo.
Acresce a isto tudo a estratégia comercial das diversas insígnias de promoverem entre elas uma acérrima guerra de preços, deslocalizando os “budgets” de marketing para a promoção dos preços em vez de promoverem as marcas. Vão pagar bem caro o que andam a fazer…
Desta forma, o consumidor “educou-se” para decidir em função das mais valias do preço em vez de se fidelizar às insígnias através de factores emocionais. Temos por isso, os chamados consumidores “camaleão”, porque as estratégias comerciais foram idênticas.
Considerar que o negócio e a relação com os fornecedores estava na compra (descontos, promoções, rappeis, etc), pode ter sido bom para os objectivos de expansão e de crescimento rápido, mas vai ser necessário evoluir para uma via negocial capaz de se focar nas novas necessidades dos consumidores.
As marcas de grande sucesso comercial, perceberam cedo que o sucesso comercial passava por ofertas integradas de qualidade reconhecida. Se analisarmos o sortido, o atendimento, o espaço loja, essas marcas não possuem qualquer dissonância entre o que o consumidor pretende e aquilo que recebe.
Na maior parte das lojas verifica-se ainda hoje, uma enorme dissonância entre aquilo que o marketing de forma muito profissional planeia, organiza e anuncia e aquilo que o cliente “recebe” efectivamente nas suas interacções na loja.
A actual despersonalização da maioria das insígnias e a continuidade da falta de criatividade (ou capacidade de mudar), vão decerto proporcionar ganhos adicionais às lojas que já perceberam o que devem fazer desde já. Daqui a 10 anos vamos ver quem tinha razão…
Poderíamos ainda referir o caso de algumas cadeias que têm diminuído a sua qualidade de oferta (sortido, atendimento, gestão da loja, etc.), mas preferimos o contrário, aplaudir o esforço do Corte Inglês, da FNAC, da Bliss, da Staples, da Bertrand, de algumas lojas Auchan, dos Sá na Madeira, dos Solmar nos Açores, do Apolónia no Algarve, da Suportel em Lisboa e de mais uns poucos, que dão claros indicadores de que se pretendem diferenciar pela oferta qualitativa, apoiando os fornecedores no desenvolvimento efectivo das marcas e deixar as guerras dos preços para os outros.
Por tudo isto, consideramos que Portugal terá o comércio que merecer. Vão estar bem, todos aqueles que se souberem afirmar com qualidade integrada junto do consumidor, onde o serviço assuma um papel fundamental, uma excelente oportunidade de afirmação e desenvolvimento comercial.
A minha visão optimista diz-me que os grupos portugueses que actualmente lideram a distribuição em Portugal (Sonae, JM, Rádio Popular, etc), continuarão a liderar as vendas dentro de 10 anos porque souberam “perceber” o consumidor.
A minha visão pessimista, “vê”, por exemplo, em vez das insígnias: Continente, Pingo Doce, Feira Nova, Recheio e Rádio Popular, Bertrand, etc, espaços modernos e muito diferentes do que são hoje, mas com as insígnias: Carrefour, Wall Mart, MediaMarkt, Aldi, Plus, Lidl, Fnac, etc.
“O progresso não é senão a realização de utopias”, (Óscar Wilde).

Fonte: João Alberto Catalão, INV. Publicado em New@This por Nuno Batista.

Como será a Distribuição em Portugal dentro de 10 anos?

November 28, 2007

Global, tanto a nível de insígnias como de oferta, sem esquecer a resposta aos nichos de mercado (ex. diferentes etnias que hoje compõem a população em Portugal) às diferenças Norte/Sul e às pequenas especificidades locais;

Com Formatos Diversificados, que o mesmo consumidor procura em diferentes circunstâncias e com diferentes motivações de compra;

Centrada na Venda e não na Compra, ou seja, com os Negociadores da Produção e da Distribuição especialistas em Psicossociologia do Consumo e na Dinâmica do Ponto de Venda, a trabalharem em verdadeira parceria visando surpreender o consumidor final e não apenas a pensar nos descontos, nos rappéis, nos contratos, etc. Acredito mesmo nisto não estou a gozar!
Analisando as tendências de mercado e o actual panorama da Distribuição portuguesa consideramos que, tal como diversas vezes temos referido, há uma oportunidade excelente para o reforço da afirmação do canal dos Supermercados e das superfícies médias especializadas em Portugal, mas não só.
Desde 1985 que nos habituámos a usufruir de um conjunto de serviços de qualidade, proporcionados pelo acelerado crescimento da Distribuição organizada. Portugal tem Hipermercados e Supermercados ao nível do melhor que existe pelo mundo fora. Outros formatos para lá caminharão (não têm outro remédio…).
O “benchmarking” excedeu as expectativas. O consumidor português ganhou muito com a implantação das várias insígnias e usufruiu de diversas formas da crescente competitividade negocial das relações produtor/distribuidor.
Hoje é fácil encontrar pontos de venda com qualidade em praticamente todos os Concelhos do País. Podemos escolher entre os diversos formatos e aproveitar as estratégias comerciais agressivas das diversas insígnias.
Por um lado, os novos estilos de vida favorecem os espaços comerciais que consigam proporcionar simultaneamente uma experiência agradável na compra e por outro, uma gestão eficaz do tempo. Os negócios do lazer e do lúdico estão em franco desenvolvimento, mas o consumidor valoriza cada vez mais o tempo de compra.
Se este raciocínio estiver correcto, os hipermercados vão tendencialmente perder espaço, pois têm assumidamente um problema de escala. Prevejo mesmo que daqui a 10 anos já muitos tiveram que fechar e/ou adaptar-se a formatos mais “retalhados”, tanto mais que não seja porque a realidade demográfica aponta para um envelhecimento acelerado da população.A diferença de preços entre comprar num Hiper, num Super ou num Discount não é tão relevante como era há cinco anos. No entanto, o tempo necessário para efectuar as mesmas compras nos diferentes formatos é significativo.
Acreditamos que dentro de 10 anos os factores mais determinantes para a compra serão o conforto e a conveniência. Até porque aqueles que até essa altura só viverem do preço já estarão mortos (falidos!).
De facto, enquanto por exemplo, os Supermercados e as médias superfícies especializadas podem localizar-se próximo do local de trabalho ou da habitação dos seus clientes, os Hipermercados e as grandes superfícies especializadas devido aos constrangimentos provocados pela sua dimensão, têm muito mais dificuldade em fazê-lo.
Acresce a isto tudo a estratégia comercial das diversas insígnias de promoverem entre elas uma acérrima guerra de preços, deslocalizando os “budgets” de marketing para a promoção dos preços em vez de promoverem as marcas. Vão pagar bem caro o que andam a fazer…
Desta forma, o consumidor “educou-se” para decidir em função das mais valias do preço em vez de se fidelizar às insígnias através de factores emocionais. Temos por isso, os chamados consumidores “camaleão”, porque as estratégias comerciais foram idênticas.
Considerar que o negócio e a relação com os fornecedores estava na compra (descontos, promoções, rappeis, etc), pode ter sido bom para os objectivos de expansão e de crescimento rápido, mas vai ser necessário evoluir para uma via negocial capaz de se focar nas novas necessidades dos consumidores.
As marcas de grande sucesso comercial, perceberam cedo que o sucesso comercial passava por ofertas integradas de qualidade reconhecida. Se analisarmos o sortido, o atendimento, o espaço loja, essas marcas não possuem qualquer dissonância entre o que o consumidor pretende e aquilo que recebe.
Na maior parte das lojas verifica-se ainda hoje, uma enorme dissonância entre aquilo que o marketing de forma muito profissional planeia, organiza e anuncia e aquilo que o cliente “recebe” efectivamente nas suas interacções na loja.
A actual despersonalização da maioria das insígnias e a continuidade da falta de criatividade (ou capacidade de mudar), vão decerto proporcionar ganhos adicionais às lojas que já perceberam o que devem fazer desde já. Daqui a 10 anos vamos ver quem tinha razão…
Poderíamos ainda referir o caso de algumas cadeias que têm diminuído a sua qualidade de oferta (sortido, atendimento, gestão da loja, etc.), mas preferimos o contrário, aplaudir o esforço do Corte Inglês, da FNAC, da Bliss, da Staples, da Bertrand, de algumas lojas Auchan, dos Sá na Madeira, dos Solmar nos Açores, do Apolónia no Algarve, da Suportel em Lisboa e de mais uns poucos, que dão claros indicadores de que se pretendem diferenciar pela oferta qualitativa, apoiando os fornecedores no desenvolvimento efectivo das marcas e deixar as guerras dos preços para os outros.
Por tudo isto, consideramos que Portugal terá o comércio que merecer. Vão estar bem, todos aqueles que se souberem afirmar com qualidade integrada junto do consumidor, onde o serviço assuma um papel fundamental, uma excelente oportunidade de afirmação e desenvolvimento comercial.
A minha visão optimista diz-me que os grupos portugueses que actualmente lideram a distribuição em Portugal (Sonae, JM, Rádio Popular, etc), continuarão a liderar as vendas dentro de 10 anos porque souberam “perceber” o consumidor.
A minha visão pessimista, “vê”, por exemplo, em vez das insígnias: Continente, Pingo Doce, Feira Nova, Recheio e Rádio Popular, Bertrand, etc, espaços modernos e muito diferentes do que são hoje, mas com as insígnias: Carrefour, Wall Mart, MediaMarkt, Aldi, Plus, Lidl, Fnac, etc.
“O progresso não é senão a realização de utopias”, (Óscar Wilde).

Fonte: João Alberto Catalão, INV. Publicado em New@This por Nuno Batista.

Party your way to a new job

November 27, 2007

One of the most common job-hunting mistakes people make is putting the search on hold from Thanksgiving to New Year’s. It might seem like entire offices are hibernating, but the truth is, they’re at holiday parties. Join them there.
The holiday season, with all its socializing and merry-making, is prime time for networking. Since managers tend to hire people they–and their colleagues–know, networking should play a major role in any job seeker’s process.
But don’t go blindly to every holiday party you’re invited to. To get the most out of each one, you need to develop a strategy.

Party Networking Made Simple
Start by doing your homework about each event. What type of people are attending–are they likely the type of people you want to meet? If it’s for a trade association or professional group, ask the organizer to forward you the list of people who are attending, says Lynne Waymon, co-author of Making Contacts Count. Peruse it to see if anyone’s name stands out.
If you’re attending a party thrown by a professional organization, look up the name of the group’s board of directors before the event. Those are the people you want to meet, because they are heavily involved in the industry and likely have a lot of useful contacts. Other key attendees are the party’s hosts. Like members of the board, they know most of the guests and can introduce you. Finally, think about who you met last year and put them on your list of people to chat with. Remembering someone’s name goes a long way.
“Good networks are very intentional,” says Waymon. “Give a lot of attention to details, especially surrounding names.”
Now that you’ve got a list of people to talk with, make sure to get there on time. Arriving when there are fewer people makes it easier to get time with the party’s hosts and the board of directors. For people who feel shy about meeting strangers, getting there while the crowd is small is much easier to manage than entering a room full of 200 partiers already having a good time, says Thom Singer , author of The ABCs of Networking.
Striking up conversation with strangers doesn’t come naturally to everyone. But there are ways to make it comfortable. If you arrive on time and say hello to the hosts, also take a minute to say, “I don’t know anyone here. Are there people you think I should meet and do you mind introducing me?”
It might sound silly, but there’s nothing wrong with introducing yourself to people in the food and drink lines. A common opening line: “How do you know the hosts?” Or, “How long have you been a member of the organization?”
“If you wait for someone else to start talking, you might be waiting all day,” says Andrea Nierenberg, who wrote Million Dollar Networking.
Have topics ready to discuss. Ask what they’re doing for the holidays, whether they’re taking a vacation or what they’ve been working on lately. “A lot of good connections start in a personal manner,” says Nierenberg. “Trust is built as you exchange information and resources. That’s what makes people want to hire you or refer you. They want to see your character and competence. Expert conversationalists know how to do that through behavior and conversation.”
Don’t start a conversation by saying you’re unemployed. And certainly don’t say that you’re at the party to find a new job. Networking is an investment that pays off in the future. “The mistake is people thinking the party is networking,” says Singer. “It’s not. It’s the tool to meet someone.” You build the relationship from there.
Focus on the give and take of conversation. The same question is likely to come up throughout the party: What do you do professionally? Have a succinct answer prepared. If you’re employed, Nierenberg recommends a few seconds introduction that speaks to your industry. For instance, if you sell software, she recommends saying something like, “I sell software that helps computers talk to each other.” First tell them what you do, then mention the organization’s name, she says.
If you’re unemployed, don’t blurt that out. “It’s too heavy,” says Waymon. “They don’t know you well enough to help yet.” You’ve got past work experience, so discuss that. Mention the industry you’re in and a few other jobs you’ve held–briefly. Then say, “I have the wonderful prospect of finding a new position in 2008.” Then briefly describe what you’re looking for.
Always carry a business card. If you’re unemployed, create a card with your name, e-mail and phone number. Business cards can also assist in making a graceful exit; sometimes extricating yourself from a conversation is just as hard as getting into one. An easy way to wrap up a conversation is by saying, “It was great to meet you. May I have your business card?” Or simply try saying, ‘I’m going to give you time to talk to other people here.’
If you meet someone you do want to speak more with, ask if he or she would like to continue the conversation over coffee when the holidays are over. If that feels too bold, follow up by answering some type of question that person had. For instance, if you learned he or she is planning a trip to Mexico and you recently went there, send an e-mail with some restaurant recommendations or day-trip ideas.
The payoff on this isn’t going to come overnight. Jobs aren’t going to come pouring in right after the party–think long term.
Most important, have fun–if you’ve been job hunting for months, that’s exactly what you need.

Source: Forbes.com. Posted by Nuno Batista.

Party your way to a new job

November 27, 2007

One of the most common job-hunting mistakes people make is putting the search on hold from Thanksgiving to New Year’s. It might seem like entire offices are hibernating, but the truth is, they’re at holiday parties. Join them there.
The holiday season, with all its socializing and merry-making, is prime time for networking. Since managers tend to hire people they–and their colleagues–know, networking should play a major role in any job seeker’s process.
But don’t go blindly to every holiday party you’re invited to. To get the most out of each one, you need to develop a strategy.

Party Networking Made Simple
Start by doing your homework about each event. What type of people are attending–are they likely the type of people you want to meet? If it’s for a trade association or professional group, ask the organizer to forward you the list of people who are attending, says Lynne Waymon, co-author of Making Contacts Count. Peruse it to see if anyone’s name stands out.
If you’re attending a party thrown by a professional organization, look up the name of the group’s board of directors before the event. Those are the people you want to meet, because they are heavily involved in the industry and likely have a lot of useful contacts. Other key attendees are the party’s hosts. Like members of the board, they know most of the guests and can introduce you. Finally, think about who you met last year and put them on your list of people to chat with. Remembering someone’s name goes a long way.
“Good networks are very intentional,” says Waymon. “Give a lot of attention to details, especially surrounding names.”
Now that you’ve got a list of people to talk with, make sure to get there on time. Arriving when there are fewer people makes it easier to get time with the party’s hosts and the board of directors. For people who feel shy about meeting strangers, getting there while the crowd is small is much easier to manage than entering a room full of 200 partiers already having a good time, says Thom Singer , author of The ABCs of Networking.
Striking up conversation with strangers doesn’t come naturally to everyone. But there are ways to make it comfortable. If you arrive on time and say hello to the hosts, also take a minute to say, “I don’t know anyone here. Are there people you think I should meet and do you mind introducing me?”
It might sound silly, but there’s nothing wrong with introducing yourself to people in the food and drink lines. A common opening line: “How do you know the hosts?” Or, “How long have you been a member of the organization?”
“If you wait for someone else to start talking, you might be waiting all day,” says Andrea Nierenberg, who wrote Million Dollar Networking.
Have topics ready to discuss. Ask what they’re doing for the holidays, whether they’re taking a vacation or what they’ve been working on lately. “A lot of good connections start in a personal manner,” says Nierenberg. “Trust is built as you exchange information and resources. That’s what makes people want to hire you or refer you. They want to see your character and competence. Expert conversationalists know how to do that through behavior and conversation.”
Don’t start a conversation by saying you’re unemployed. And certainly don’t say that you’re at the party to find a new job. Networking is an investment that pays off in the future. “The mistake is people thinking the party is networking,” says Singer. “It’s not. It’s the tool to meet someone.” You build the relationship from there.
Focus on the give and take of conversation. The same question is likely to come up throughout the party: What do you do professionally? Have a succinct answer prepared. If you’re employed, Nierenberg recommends a few seconds introduction that speaks to your industry. For instance, if you sell software, she recommends saying something like, “I sell software that helps computers talk to each other.” First tell them what you do, then mention the organization’s name, she says.
If you’re unemployed, don’t blurt that out. “It’s too heavy,” says Waymon. “They don’t know you well enough to help yet.” You’ve got past work experience, so discuss that. Mention the industry you’re in and a few other jobs you’ve held–briefly. Then say, “I have the wonderful prospect of finding a new position in 2008.” Then briefly describe what you’re looking for.
Always carry a business card. If you’re unemployed, create a card with your name, e-mail and phone number. Business cards can also assist in making a graceful exit; sometimes extricating yourself from a conversation is just as hard as getting into one. An easy way to wrap up a conversation is by saying, “It was great to meet you. May I have your business card?” Or simply try saying, ‘I’m going to give you time to talk to other people here.’
If you meet someone you do want to speak more with, ask if he or she would like to continue the conversation over coffee when the holidays are over. If that feels too bold, follow up by answering some type of question that person had. For instance, if you learned he or she is planning a trip to Mexico and you recently went there, send an e-mail with some restaurant recommendations or day-trip ideas.
The payoff on this isn’t going to come overnight. Jobs aren’t going to come pouring in right after the party–think long term.
Most important, have fun–if you’ve been job hunting for months, that’s exactly what you need.

Source: Forbes.com. Posted by Nuno Batista.

Trabalho: concentração diminui a meio da tarde

November 27, 2007
Depois do almoço, já todos sentimos aquela moleza que torna difícil a tarefa laboral.
De acordo com um estudo realizado por uma empresa britânica, que reflecte igualmente a realidade em Portugal, uma grande parte dos trabalhadores perde a concentração laboral a meio da tarde.
Os especialistas referem que o momento de maior produtividade situa-se a meio da manhã, por volta das 10h30. Os resultados foram obtidos com base em entrevistas a 2.736 pessoas que trabalham em escritórios na Grã-Bretanha.
Segundo o estudo, 82% dos inquiridos revelou trabalhar melhor da parte da manhã, assim como 76% acrescentou que a meio da tarde (por volta das 15h30) começa a perder a concentração e por conseguinte, a pensar em outras coisas que não o trabalho.
Alan Price da empresa responsável pela pesquisa afirmou «as pessoas disseram-nos que perdem a concentração depois das 15h30 e que começam a planear o que vão fazer depois do trabalho, o que vão comer ao jantar, para onde vão sair à noite, ou simplesmente passam o resto do dia a navegar na Internet».
Cabe às chefias das empresas encontrar métodos que não deixem os funcionários perder o interesse do trabalho a meio da tarde, já que uma grande parte das pessoas trabalha até às 18h30. «Parece que os funcionários pensam que já fizeram quase tudo o que precisavam a essa hora e que podem desligar-se (do trabalho). Infelizmente, isso pode ser frustrante para os chefes das empresas, porque pagam aos empregados para que eles trabalhem um certo número de horas», diz Alan Price.
Pausas, ginástica no local de trabalho, sair um pouco do escritório, nem que seja por dez minutos, são algumas das opções que podem ser um incentivo à produtividade. Para além disso, atribuir prémios de compensação laboral é também uma alternativa: por exemplo, se o colaborador fizer o trabalho estipulado para esse dia, a chefia pode deixá-lo sair mais cedo.
Price aconselha «é preciso pensar em introduzir metas que possam ser alcançadas e que permitam que o funcionário saia um pouco mais cedo como prémio ou instituir um prémio semanal por excelência no trabalho».
Os gestores de recursos humanos devem analisar aquilo que pode vir a facilitar a vida dos seus funcionários, para que estes se dediquem mais ao trabalho. Outra hipótese, é permitir que o colaborador trabalhe em casa sempre que possível.
Trata-se de formas de estimular o desempenho profissional. Actualmente, o stress em que as pessoas vivem e as imensas tarefas que têm de realizar todos os dias, contribuem para a falta de produtividade.
Cabe às empresas encontrar a melhor forma de incentivar os funcionários – colaborador satisfeito, produz mais e melhor.
Fonte: BBC Brasil. Publicado em New@This por Nuno Batista.