Crise económica ajuda discount

As recentes divulgações de resultados dos grupos retalhistas que operam no discount, apresentando a maioria crescimentos de duplo dígito, fazem prever que o conceito aumente ainda mais o seu peso no retalho mundial. A ajudar estão a crise económica, os aumentos dos preços dos alimentos e combustíveis, bem como a percepção por parte do consumidor em relação a estas lojas.

O Planet Retail traçou, num dos seus últimos relatórios, um quadro bastante positivo para o conceito discount a nível mundial. Os grupos retalhistas que operam este conceito registaram crescimentos significativos e conseguiram entrar em mercados onde, até agora, a penetração era marginal.
Embora a Europa seja indiscutivelmente a “pátria” do discount, o conceito já atravessou as fronteiras do Velho Continente. Estados Unidos da América, Ásia, Rússia e demais mercados emergentes como, África e Médio Oriente, onde aliás as previsões dão conta de que o discount deverá duplicar a penetração nos próximos cinco anos, são países/regiões onde o conceito está a vingar.
Até 2012, os dados obtidos pelo Planet Retail indicam um crescimento nas vendas do discount na ordem dos 65%, passando globalmente de 237 mil milhões para 390 mil milhões de dólares (aproximadamente 280 mil milhões de euros). A Europa manter-se-à como principal mercado para e do conceito, prevendo-se que a quota de mercado das lojas discount na região ultrapasse os 10%.
As lojas discount tornaram-se, aliás, o principal foco de desenvolvimento de alguns grupos retalhistas europeus, especialmente na Europa Central e de Leste. Além dos “gigantes” Aldi e Lidl do Schwarz Group, apareceram, nos últimos anos, players de dimensão menor, mas com grande potencial, englobando-se neste grupo a polaca Biedronka do grupo Jerónimo Martins ou a turca BIM.
Polónia no centro
De acordo com as previsões do Planet Retail, a Polónia será o primeiro mercado mundial onde o discount será o líder indiscutível no panorama do retalho, pertencendo este feito à “joaninha” da Jerónimo Martins, deixando para trás grupos como Carrefour, Tesco ou Metro.
Na Europa Central e de Leste, em particular, o grande número de cidades de média dimensão representam um terreno fértil para o desenvolvimento a longo prazo deste conceito, enquanto na Europa Ocidental, a estagnação registada nos hipermercados, dando lugar a lojas com áreas de venda mais reduzidas, beneficia a política de expansão dos operadores de discount.
No palco europeu, a Aldi, criadora do conceito discount, continua a manter a liderança no ranking global, apresentando vendas, em 2007, de 43,7 mil milhões de euros, prevendo-se que este valor aumente para 52,3 mil milhões no final do actual exercício.
Apesar de aparecer como líder do discount na Europa por causa do número de lojas, o Lidl não consegue bater o concorrente Aldi, embora a aproximação entre os dois grupos seja real. A insígnia do Schwarz Group deverá registar vendas de 46,6 mil milhões de euros em 2008, muito devido à expansão a mercados como o australiano e norte-americano, onde inaugurou a primeira loja neste mês de Setembro.
A percepção do consumidor
O conceito discount tornou-se, de facto, numa “ameaça real” para os grupos de retalho, não só por causa da eficiente cadeia de distribuição e eficaz capacidade de trabalho, como por outros factores internos e/ou externos. O próprio consumidor mudou a percepção em relação ao discount e descobriu que preços mais baixos não significam obrigatoriamente menos qualidade.
Além disso, o consumidor utiliza cada vez mais o discount para efectuar compras selectivas, procurando, posteriormente, nos outros conceitos o que as lojas discount não oferecem.
No entanto, o discount está a responder e a expandir a gama de produtos e serviços. Exemplo disso mesmo, é o Lidl que no Reino Unido está a testar um formato de conveniência, sob a insígnia Lidl Express, oferecendo padaria, bem como café fresco.
Em França, a nova estratégia da ITM passa pela modernização do portfólio de lojas, com o lançamento de um novo conceito para a insígnia Netto, com o objectivo de transformar as lojas de hard discount em “supermercados discount”, com maior área de venda, alargamento da oferta de produtos e self-checkouts.
Além de todas estas alterações, as lojas discount estão a tornar-se cada vez mais atractivas para os consumidores através da oferta de serviços de entrega ao domicílio, cartões de fidelização ou viagens.
A conclusão do Planet Retail é simples: “está a nascer um novo conceito de discount”.
Fonte: Hipersuper. Publicado em New@This por Nuno Batista

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: